Escritos - página anexa destinada a postagem de obras autorais

12 de nov de 2015

Sentença (3ª temp de fúria) - Capítulo 12


WILL
Do outro lado da mesa redonda, Mogherini anda de um lado para o outro, repassando informações.


A máfia é dividida em dois polos, comandados por membros da mesma família. Há uma grande rivalidade entre eles, o que faz com que atentados de um lado contra o outro sejam muito comuns.”

Volta e meia, ele lança olhares céticos na minha direção, como se não tivesse certeza de que eu realmente vá cumprir com minha parte no acordo. Não vejo Safroncik há dias, mas há sempre a sensação de que ela está aqui, como uma energia emanando nessa sala.
A mesma sensação parece ser sentida por Craven, que desde sua visita, tem soado desconfortável e meio perdido, ouvindo a todas as notícias e comandos com um silêncio atípico.
Passo um rápido e imperceptível olhar em sua direção.

A divisão surgiu logo após a morte de Jonathan Vaccari, pai de Anthony e Elizabeth Vaccari e 'tio' de César Vaccari, o atual líder de um dos polos.”
- Mogherini continua.
O que importa para nós nesse momento é o polo anteriormente comandado pela chamada Beth Vaccari, que morreu há quase um mês. A parte específica da mafia comandada por ela está fragilizada pela falta de um líder forte e influente, e portanto, devemos agir o mais rápido possível antes que arranjem um novo chefe.”

Observo Mogherini tirar algo como uma foto de uma pasta preta, e estendê-lo na minha direção.
Para minha maldição, o rosto estampado é perfeitamente familiar a mim.

Conhece?” - Ele pergunta, e de repente, me sinto num interrogatório.

É James Hansson.”
- Digo.
Parente de um antigo chefe da mafia Hansson, não sei se era primo ou sobrinho. Trabalhava para Beth desde a morte dele.”

Já visitou sua casa?”

Fixo meu olhar em Mogherini durante um longo tempo antes de responder…

Sim.”

Eu quero que você siga-o, e mantenha-se informado sobre os passos dele.” - Solta. - “Hansson vai levar até outros membros e líderes em potencial.”

Liza é uma líder em potencial.
Mas é claro que eu não diria isso. Sua distância da máfia faz parte do acordo.

Será que posso fazer uma pergunta?”
- Craven diz. Os olhares de todos nós pousam sobre ele.

Diga.” - Mogherini diz.

Por que fez aspas para se referir a Jonathan Vaccari como tio de César Vaccari?”

Porque ele não é seu tio.”
- Mogherini solta, com a maior tranquilidade.
Jonathan Vaccari é, na verdade, pai de César Vaccari.”

JAMES
Paro o carro em frente a imensa quadra, situada a poucos metros do colégio onde Jennifer, filha da Liza, estuda.
Não é difícil encontrá-la no meio das outras meninas altas do vôlei, com o cabelo ruivo preso num rabo de cavalo e olhos atentos, seguindo concentrados a todos os movimentos e direções da bola.
Seu time faz mais um ponto e fecha o set, e ela comemora, sorridente, a vitória com as colegas, batendo palmas e dando abraços coletivos. Me encosto no capô do carro e espero por ela.
Deixei Sidney no apartamento logo depois de toda aquela conversa com Hayat, e ela não disse nada além de um 'obrigado' antes de entrar.
Como dividimos o mesmo teto e eu não quero que ela se sinta pressionada, penso em ir para a mansão Vaccari depois que deixar Jennifer em casa.
Liza demonstrou toda a preocupação que está sentindo desde a morte da tia quando me pediu para buscar a filha no colégio. Eu sei que era um momento oportuno para tentar persuadi-la mais uma vez, mas eu não estava com energia para isso.

Ao invés de vir na minha direção, Jennifer caminha até um homem de óculos escuros e jaqueta de couro sentado numa das primeiras fileiras da arquibancada. Quando tira o óculos, revelando mais de seu rosto, percebo que ele com certeza já passou dos vinte, mas não tem mais que 25 anos. O sorriso dela se expande assim que ele faz contato e os dois conversam por alguns minutos.
Não contenho o impulso de arquear uma sobrancelha.

Ele nota primeiro a minha presença do que ela.
Seus olhos me fitam por um segundo e há algo como escárnio pairando em sua expressão. Eu o encaro de volta e ele desvia o olhar.
Jennifer me vê no instante seguinte.
O rapaz que flerta com ela levanta e se despede, e Jennifer o observa subir numa moto e sumir segundos depois. Ela suspira, pega a mochila e caminha rapidamente na minha direção.

Você podia fingir que não estava aqui, pra variar.”
- Ela diz assim que se aproxima do carro.

Quem era?” - Pergunto.

Um cara aí.” - Ela diz, encolhendo os ombros.

Nome.” - Exijo.
George.”
- Solta, carrancuda.
George Union. Satisfeito?”

Muito.” - Sorrio, abrindo a porta da frente. Ela lança um olhar carregado para mim e entra.

Dou a volta no carro, sentindo o celular vibrar no meu bolso.
Eu estou quase me sentando no banco do motorista quando abro a mensagem, enviada por Yuval.
Meu rosto fica tenso, de repente, ao ler os dizeres, e Jennifer percebe isso.

Aconteceu alguma coisa, tio?” - Ela pergunta.

Na fina e delicada tela do celular, a seguinte frase está estampada…

É melhor você vir para a sede Hansson. O chefe morreu.”

Jennifer se estica para tentar ler a mensagem, mas eu já a removi da tela.
Encaro seu rosto cheio de curiosidade, completamente inerte à situação em que se encontra e ao provável perigo que corre por conta do sobrenome que carrega.
Por mais que não saiba nada sobre a máfia, Jennifer não deixa de ser uma Vaccari.
Eu lembro então que ela havia me feito uma pergunta, e para que não fique preocupada, eu preciso respondê-la com a maior naturalidade possível.

Não é nada, Jen.” - Solto, abrindo um largo sorriso. - “Só uma amiga querendo me ver.”